segunda-feira, 26 de novembro de 2007

A nicotina (tabaco) Aspectos históricos e culturais ... Cuidado com as drogas— Prevenção e orientação sobre o uso indevido de drogas

Planta originária do continente americano, o tabaco já era fumado pelos índios desde antes da chegada dos colonizadores europeus. Esse hábito, como os demais de mascá-lo ou aspirá-lo, foi sendo adquirido também pelos viajantes europeus que vinham à América.

Foi, somente em 1560, que o uso do tabaco veio a tomar grande impulso na Europa, a partir da propaganda de Jean Nicot-diplomata francês cujo nome originou a palavra NICOTINA- de que ela possuía "maravilhosos poderes curativos". Foi Nicot que introduziu o seu uso na França. Com o passar do temo, o hábito de fumar tabaco ia se propagado e, no século XVII, já era vício generalizado em toda a Europa, alcançando também a África e Ásia.

O tabaco perde, contudo, sua auréola de "remédio para todos os males", restringindo seu uso à população de baixa renda. Mas aos poucos vai ganhando o gosto da nobreza e da burguesia e, por fim, no início do século XVIII, é um dos maiores valores de comércio internacional. O cachimbo no século XVII, o rapé e o hábito de mascar no século XVIII, assim como o charuto no século XIX, foram formas muito comuns do uso do tabaco nas respectivas épocas.

Mas a grande "democratização" do consumo de tabaco veio a acontecer no século XX, com a expansão do hábito de fumar cigarro. Originário dos "papeletes" ou "papelitos" espanhóis do século XVII e do "cigarette" francês do século XIX, o cigarro se popularizou de forma impressionante no século XX, sobretudo depois da Primeira Guerra Mundial. Apesar de existirem vozes se opondo ao uso do tabaco, este sofreu uma expansão constante e crescente. Somente na década de 60, com a revelação dos cientistas de que o cigarro provoca câncer no pulmão e outros males, é que se deu início a uma campanha contra o seu uso. Certos grupos tomam esta campanha como uma verdadeira "cruzada".

Efeitos físicos e psíquicos

Comsumida por via oral ou nasal, a nicotina, componebte do tabaco, é considerada uma droga estimulante. Nao possui nenhum efeito terapêutico, provocando dependência física e psíquica. Provoca tolerância, ou seja,o organismo adapta-se a sua presença através de um processo biológico, e sujeita a síndromas de abstinência os indivíduos que param de fumar de uma maneira brusca. Entre as 4 mil substâncias existentes na fumaça do tabaco, a nicotina é a responsável pela dependência física, caracterizada por sintomas de irritabilidade, palpitação, tontura, ansiedade e fadiga.

Outras consequências físicas:aumento da pressão arterial, diminuição do fluxo sanguíneo para a pele, diminuindo a temperatura; aringites, bronquites, falta de apetite; perturbações da visão; diversos tipos de câncer; doenças cardiovasculares, angina, enfarto.

Por: José Sende (josesende2005@yahoo.com.br )/ Colaborador repórter do Boletim "A Voz do Olho"

Sem comentários:

JOVENS DEBATEM SOBRE - A JUVENTUDE E OS DESAFIOS DA RECONSTRUÇÃO NACIONAL NAS "NOITE DE PALCO ABERTO"

O debate  destaca a visão dos jovens relactivamente aos problemas que   enfrentam no actual contexto da vida do nosso país e os ...