domingo, 10 de agosto de 2008

Lançamento do "Consulado do Vazio" incentiva novos autores

«Os munícipes benguelenses e amantes da literatura foram brindados recentemente com mais uma obra literária. Trata-se de "Consulado do Vazio", da autoria do escritor Gociante Patissa", destaca na sua secção de Cultura do Jornal Chelapress, edição nº 105,de 02/08.

A cerimónia de apresentação contou com a animação de amigos da trova e da declamação da praça local e não só, cabendo a componente formal ao crítico literário e professor Universitário Fancisco Soares, a quem o autor já solicitou a mesma abertura para futuros candidatos à publicação de obras.

Na sua passagem pelo programa da Lena Sebastião, "Pista Livre", da Rádio Benguela, no passado sábado, 02/08, Gociante Patissa revelou que tem sido contactado por várias pessoas com pretentsões de escrever/publicar também, sobretudo jovens anónimos, para se inteirarem dos requisitos. Embora a componente financeira seja um claro handicap, a verdade é que agora os jovens ganham mais uma motivação. Aliás, "Consulado do Vazio" é de certo modo um acontecimento relevante, por ser incomum, pelo menos em Benguela, o surgimento de obras literárias de jovens nas últimas décadas.

"Estamos ainda na ressaca do lançamento, naquela fase de pedir desculpas àqueles a quem não deu para mandar convites e receber desculpas dos que não poderam lá estar", esclareceu o autor para de seguida afirmar que "esta obra não é apenas o livro de estreia. Está a ser também uma oportunidade de conhecer pessoas com as quais tenho estado a aprender bastante, destacando-se o professor Francisco Soares, docente univeristário e crítico literário, que, mais do que crítico, tem sido uma espécie de padrinho, quer mostrando questões técnicas, quer portas. O mais recente encontro com o renomano autor, e também professor universitário, Abreu Paxe, contou com a sua ajuda".
Questionado se podia a sociedade contar com a sua ajuda para o surgimento/lançamento de outros autores, G.P. disse ser, ele também, "vítima" da ausência de cursos de literatura, intensivos que fossem, de tal modo que a sua obra é fruto do que se sente, lê e quer aprender. Portanto, se na base disso for solicitado a prestar o seu humilde apoio, não poderá dizer não. Para mais, recitou:

Não se fez manhã ainda
Sou mais um
um mais apenas
entre milhares de anónimas penas

Pinto nestas linhas de poema desarmado
um marco do respeito pelas ideias
que morreram no peito
sem terem subido à boca ou descido às mãos
ou beijado montras
Àqueles cuja imaginação e sonhos
se tornaram predilectos rivais
empresto uma certeza
com o calibre das outras e algo mais
não se fez manhã ainda
e não há obstáculo crucial
quando vai o coração aos pedais



Consulado do Vazio" sai com a chancela do KAT-Consultoria e empreendimentos LDA, e traz à capa o quadro "De pernas cruzadas", do conceituado artista plástico Délio Batista. Com 51 páginas, o poemário é uma colecção de textos escritos ao longo de 12 anos, tendo o mais recente surgido em Abril deste ano. Subdivide-se em três capítulos e retrata respectivamente o "Quotidiano, Cidadania e Esperança", "A Natureza e a Voz das Paisagens", sendo que o último, "Amores e Desamores", inclui um poema em língua (materna do autor) Umbundu. Impresso na Gráfica Aguedense, com um tiragem de 1500 exemplares encontra-se à venda pelas principais livrarias e tabacarias das cidades do Lobito e Benguela ao preço de Kz 650,00.


O primeiro poema do punho do autor surgiu em Fevereiro de 1996, na ocasião, visando participar das gravações do programa infantil "Comboio da Amizade" da Delegação Provincial da Televisão Pública de Angola (TPA) em Benguela. Gociante Patissa é membro da AJS
www.angodebates.blogspot.com